Circuito Brasileiro de Festivbais Internacionais de Dança


Circuito Brasileiro de Festivais Internacionais de Dança

Desde 2005 os quatro festivais de dança contemporânea de maior repercussão nacional, que acontecem entre outubro e novembro, estão unidos para incentivar a circulação de companhias nacionais e estrangeiras e a partilha de programas, idéias e recursos.

O Circuito envolve o Festival Internacional de Dança do Recife (PE), a Bienal Internacional de Dança do Ceará (CE), FID – Fórum Internacional de Dança (MG) e o Panorama de Dança do Rio de Janeiro (RJ) e inclui quatro capitais (duas do Nordeste e duas do Sudeste). Trata-se de uma união de estru- turas para fortificar as cenas de novos artistas locais, facilitar a troca de informações, otimizar a circulação de artistas estrangeiros e fomentar a cooperação e a circulação de artistas brasileiros entre nossos festivais. Dessa parceria, diversas otimizações de custos e projetos já surgiram e continuaram a surgir.

Juntos, esses festivais têm potencial de alcance de mais de 60 mil pessoas, com enorme retorno de mídia espontânea. Em cada festival, há um recorte curatorial diferente. Em comum, a qualidade das produções e a aposta no que há de mais novo e instigante nas artes do corpo. Numa área artística que se torna cada vez mais ampla, repleta de nuances e de tecnolo- gias, o Circuito se firma como uma iniciativa que fala direta- mente aos formadores de opinião, aos jovens e a todos os interessados na vanguarda da arte.

Os quatro festivais têm uma política de ingressos populares e enorme interação com espaços públicos e não- convencionais. O resultado é um público crescente e uma mídia cada vez mais presente.

O Circuito, além de mostrar o melhor da produção interna- cional no Brasil, é também a maior vitrine para a circulação da produção nacional. E os festivais que o formam dividem também a tarefa de fomentar a produção dos jovens artistas com estréias e projetos de cooperação internacional e forma- ção.
São quatro iniciativas muito diferentes em termos de cura- doria e realidades locais, mas que têm em comum a experi- mentação da linguagem, o investimento em novos talentos, o interesse na formação de platéias e na cooperação igualitária entre brasileiros e estrangeiros em processos de criação artística.
Uma das ações em conjunto do Circuito de Festivais é aumentar o intercâmbio com a América Latina e a África. Trata-se de uma decisão política e estratégica com vistas a estreitar os laços culturais e de economia da cultura entre esses países. Está claro para nós o papel estratégico do Brasil como fomentador desse diálogo no nosso continente e diante do continente africano.

 

  CIRCULADANÇA

Um programa da Bienal De Par Em Par, de circulação de espetáculos, residências e oficinas pelas diversas cidades do Ceará. Nesta edição contamos com as presenças da Lia Rodrigues Cia. de Danças (RJ), Maura Baiocchi e Taanteatro Companhia (SP), além dos cearenses Alysson Amancio Cia. de Dança, Cia. Vidança, Paracuru Cia. de Dança, Silvia Moura, Cia. Dos Pés Grandes, Balé Baião Jovem, Cia Arreios, Cia de Dança Ciclos, entre outros.

ler mais

 Terceira Margem

A 2ª edição do Encontro Terceira Margem traz a participação de 52 trabalhos de várias partes do País, selecionados a partir da Convocatória 2010, além de companhias, artistas e coletivos locais, nacionais e internacionais convidados pela curadoria do festival. A programação inclui espetáculos, proposições, variações, performances e intervenções urbanas, mostra de vídeos, imagens projetadas e ocupações temporárias de espaços.

ler mais