O que (não) move sua dança? Essa é a pergunta principal e o nome oficial da oficina de dança contemporânea que o coreógrafo francês Loïc Touzé inicia amanhã (19/10) em Fortaleza. As aulas, que acontecerão das 10h às 13h até o dia 21/10, no Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará (UFC), reunirão bailarinos, coreógrafos e performers com experiência em práticas corporais, bem como estudantes da graduação em Dança da UFC.

Dentre outros questionamentos da oficina estão: qual é a dança que você sempre faz?; qual é a dança que você nunca faz?; qual é a que você sonha fazer?; a qual cultura você se remete?; Como a educação artística construiu e organizou seu olhar, constituiu seu corpo, estruturou seu movimento?. Durante a ação formativa, o coreógrafo irá se ater a pôr à prova estas e outras perguntas, desorganizando, alterando e deslocando hábitos composicionais, bem como interrogando os modos de captura das informações visuais, auditivas e tácteis. A cada dia de trabalho, Touzé começará por uma prática, cujo objetivo principal será favorecer a disponibilidade do corpo e do espírito, a partir de técnicas de relaxamento e de experimentação corporal.

Currículo

Nascido em 1964, Loïc Touzé integrou aos dez anos de idade a escola do Ballet de l’Opéra de Paris. A partir de 1982, fez parte do corpo de baile da companhia, ao mesmo tempo em que participou de criações no seio do GRCOP, dirigido por Jacques Garnier. Posteriormente, preferiu buscar novas experiências ao mergulhar na Nova Dança Francesa e se unir a projetos de Carolyn Carlson, Mathilde Monnier – que perdura como uma de suas cúmplices artísticas –, Jean-François Duroure, Catherine Diverrès e Bernardo Montet. A fundação de sua própria companhia com Fabienne Compet em 1992 deu início a um grande período de exploração.

Foto: Jocelyn Conttencin